30 julho 2020

Embalagens que ofereçam melhor desempenho logístico servem de aliadas para fabricantes querendo reduzir a sua pegada de carbono
Há uma série de fatores que influenciam o processo de escolha entre os diferentes tipos de embalagens atualmente disponíveis no mercado. Para o consumidor, alguns deles são mais claros: a reciclabilidade da embalagem, se ela é feita a partir de matérias-primas renováveis e, não menos importante, a capacidade do invólucro para proteger e preservar os nutrientes do alimento. Porém, há outros aspectos que precisam ser levados em consideração - principalmente para aqueles que ocupam um cargo de gestão na indústria de alimentos e bebidas.

Como em qualquer setor, a logística é um aspecto importante para a operação dos fabricantes. Quanto mais eficiente ela for, melhor será a distribuição do produto, seja em termos de disponibilidade nas gôndolas ou em termos de viagens entre fábrica e centros de distribuição. Para fabricantes de alimentos e bebidas, a eficiência logística das embalagens somada ao seu impacto visual nas gôndolas são alguns dos fatores mais relevantes no momento de escolha do modelo ideal.

Embalagens cartonadas em formato retangular, a exemplo do modelo Tetra Recart®, ocupam menos espaço em comparação com outros tipos de embalagens, tornando o seu processo logístico mais eficiente. Por exemplo, caminhões transportando embalagens cartonadas chegam a levar de 10% a 20% mais unidades em comparação com o mesmo tipo de transporte carregando produtos enlatados. Além do ganho financeiro pela redução no volume de viagens, o desempenho logístico superior também contribui para a redução da pegada de carbono.

Estudo recente, realizado pelo Institute for Energy and Environmental Research (IFEU), na Alemanha, comparou o desempenho ambiental da Tetra Recart® e outras embalagens para alimentos. Desde a extração da matéria-prima até de fabricação, distribuição e gerenciamento de resíduos, as emissões de carbono da Tetra Recart® foram cinco vezes inferiores às de latas de alumínio e garrafas de vidro.

Já nas gôndolas, o desempenho da caixinha também é notável. O formato retangular da embalagem permite acomodar mais produtos por gôndola e a apresentação visual nas prateleiras é mais uniformizada. 

"A Tetra Recart® ocupa até 40% menos espaço na prateleira em comparação a outros formatos. Na performance logística, possibilita mais produto por palete, oferecendo maior agilidade na reposição, uso eficiente de espaço e redução do DPC (custo direto de produto)", explica Cássio Simões, diretor de Vendas da Tetra Pak Brasil.

De quebra, o consumidor enxerga na embalagem cartonada uma alternativa sustentável para embalar e proteger o alimento. Inteiramente reciclável, a caixinha pós-consumo dá origem a uma série novos produtos, como telhas, móveis, sacolas e cadernos. Em uma sociedade cada vez mais sensível a aspectos relacionados à preservação ambiental, investir em modelos de embalagem sustentáveis em todo o seu ciclo de vida mostra-se altamente benéfico, tanto para o planeta quanto para os negócios.
 
<< Voltar