12 setembro 2019
A inteligência artificial tem o potencial de trazer ganhos importantes para indivíduos e empresas. Mas quais distorções podem gerar algoritmos enviesados?
Bastante debatida na atualidade, a inteligência artificial virou uma ferramenta importante no dia a dia de empresas atuando em diferentes segmentos. São cada vez mais comuns casos de humanos e máquinas trabalhando lado a lado e em contínua cooperação, imprimindo maior agilidade para a execução de negócios e para tomadas de decisão. Mas partindo-se do princípio de que os “professores” das máquinas são humanos, como garantir que elas não carreguem em seus algoritmos juízos pré-concebidos e enviesados capazes de gerar resultados ineficientes e distorcidos?
 
“Quando falamos em inteligência artificial, também precisamos considerar quais pessoas estão desenhando e treinando os algoritmos das máquinas. Dados enviesados levam a resultados enviesados”, lembra Nathana Sharma, professora da Singularity University e especialista em temas relacionados à aplicação da tecnologia nas áreas de negócios e direito. Nathana foi a palestrante da última edição do KES, evento sobre tecnologia e inovação patrocinado pela Tetra Pak.
 
No mundo corporativo, algumas grandes empresas já limitaram a utilização da inteligência artificial após perceberem distorções em determinados processos. Nos Estados Unidos, corporações deixaram de utilizar algoritmos em processos seletivos ao perceberem que, em triagens preliminares, candidatas do sexo feminino eram desconsideradas. A falha ocorria porque o software estava configurado para priorizar candidatos com perfil similar ao dos colaboradores já contratados – no geral, homens de pele clara.
 
Apesar dos pontos de atenção, é inegável que a inteligência artificial pode gerar enormes benefícios para as sociedades futuras e para o desenvolvimento de novos negócios. O estudo Sizing the price of AI, elaborado pela consultoria PwC, aponta que a inteligência das máquinas poderá contribuir em mais de US$ 15,7 trilhões para a economia global até 2030, ou o equivalente à riqueza gerada por todos os países do mundo em um período de dois meses, segundo o Fundo Monetário Internacional (FMI).
 
“Particularmente, sou uma otimista quanto ao uso da inteligência artificial. Com a ciência de que percepções humanas interferem no funcionamento dos algoritmos, podemos treinar as máquinas para que elas eliminem preconceitos e percepções enviesadas. Ao fazer isto, avançaremos rumo a um mundo melhor e mais justo”, diz Nathana.
 
Na indústria de alimentos e bebidas, já há casos de marcas aplicando a inteligência artificial às suas operações e obtendo resultados expressivos. Confira abaixo alguns casos de sucesso.
 
Software Giuseppe
 
Software que usa a inteligência artificial para gerar formulações que tenham sabor e textura similar ao de produtos tradicionais, contudo utilizando somente ingredientes de base vegetal. Como a inteligência artificial permite o cadastro de uma infinidade de matérias-primas e o cruzamento de milhares de informações, reduz-se o tempo empregado na etapa inicial de desenvolvimento do produto, fase tradicionalmente marcada pela equação tentativa x erro.
 
Gastrograph AI
 
Ferramenta que agrega tendências e preferências de consumidores de acordo com grupos específicos: gênero, faixa etária, poder econômico, região, etc. Com dados segmentados, a solução auxilia empresas a desenvolverem novos produtos de acordo com os hábitos de grupos específicos de consumidores.
 
Calamansi: sabor emergente
 
Na Coreia do Sul, um software dotado com inteligência artificial é capaz de avaliar dados de mais de 80 mil sites e de dez milhões de relatórios de consumidores para identificar preferências por sabores e ingredientes. Com base nos dados armazenados na ferramenta, uma empresa local desenvolveu linhas de produtos à base de calamansi, fruto típico do sudeste asiático. O software já havia identificado o ingrediente como uma tendência na formulação de novos produtos, que posteriormente foi incluído em relatório da Mintel que indica ingredientes emergentes na indústria de alimentos e bebidas para 2019.
<< Voltar